sexta-feira, 22 de julho de 2011

Família Gadú: genética propensa para a arte

Fotos: Emídio Marques
A conclusão mais lógica que se pode extrair depois de uma conversa com Marc Gadú é a de que ele é, inclusive, o pai da cantora Maria Gadú. Foi para falar da filha famosa que o Mais Cruzeiro o procurou na chácara em que mora na cidade de Alumínio, a meia hora de Sorocaba. A reportagem, entretanto, mirou um alvo e acertou outro. Marc, evidentemente, falou da estrela da família, mas revelou também estar à frente de um projeto que pretende trabalhar o potencial artístico-cultural da micro-região onde vive.

Em outras palavras, junto com um grupo que reúne músicos, cenógrafos, escritores, atores, fotógrafos e produtores (todos de municípios próximos como São Roque, Mairinque, Ibiúna, Votorantim, Piedade, Sorocaba e Pilar do Sul) busca formas de, por assim dizer, escoar a produção local e tornar públicos os talentos que arregimentou nesse processo. Entusiasmado com os valores que encontrou desde que por lá se estabeleceu, fundou a companhia Sacra Mistura que, sob a direção de sua esposa, Dida Gadú, estreia, em São Roque em setembro, "O Príncipe Feliz", texto de Oscar Wilde.

Antes disso, levou à cena um espetáculo com instrumentistas, cujo repertório visitou temas de ícones do jazz, como Chick Corea, e da MPB, como Tom Jobim. Também músico, Marc assina a direção de montagens, compõe trilhas, desenvolve parcerias como aquela que mantém com o cantor João Bid, integrante do grupo Catavento, faz curso de dança contemporânea para, conforme disse, "aprimorar a expressão corporal" e, de quebra, toca em vários espaços. Não fica nisso: Patrick Gadú, outro filho, está para começar carreira solo como cantor, faz show em São Roque no dia 26 de agosto.

O curioso neste caso é que a opção por se distanciar do estresse do grande centro (no caso, São Paulo) para viver num ambiente mais tranquilo, deu lugar a mais trabalho. "Eu pensava que aqui fosse ficar mais acomodado. Que nada!", comentou. Comodismo não é, definitivamente, um traço comum à personalidade de Marc Gadú; ao contrário, ele parece ficar em estado de ebulição constante. Espécie de adulto hiperativo, irrequieto, vibra com cada novidade, elogia os artistas e a estrutura de que dispõe para trabalhar. "Aqui existem casas que nada ficam a dever àquelas da capital. Temos um filão inesgotável para explorar."

A casa onde Marc vive é uma atração à parte. Com cartazes fixados nas paredes, elementos cenográficos como os bonecos que serão usados na montagem de "O Príncipe Feliz", o lugar exala bom astral. Lá, recarrega as baterias, dedica-se a compor e ensaia, aproveitando o que a natureza oferece. No momento, divide o tempo entre o o teatro, a música e o show do filho. Ainda não tão conhecido, Patrick Gadú trabalha a vertente do pop rock. Tem o DNA do clã e está perto de se lançar profissionalmente.

Marc quer colocar a região na rota dos acontecimentos culturais. Pensa alto, acredita que vá conseguir mobilizar gente de vários segmentos. Já conta, entre outros, com a adesão de Adriano Ávilla, Ernesto Miranda, Antonio Victória, todos de cidades próximas. O coletivo ainda não tem uma agenda a cumprir, mas espera, logo, levar o debate a outros municípios e dar à iniciativa um caráter regional, mais ampliado.

Sobre Maria Gadú propriamente, Marc falou do quanto sua rotina mudou desde que a cantora ganhou projeção. Por conta do parentesco, é abordado, recebe pedidos para dar autógrafos e posar para fotos. Encara tudo com naturalidade e leveza. Emociona-se ao lembrar que Maria Gadú ocupa, hoje, posição de tanto destaque na cena musical. "Ela é um espírito iluminado, algo à frente do seu tempo", comenta. Marc mencionou que o convívio com Maria sempre foi intenso. "Ela era uma criança feliz, muito inteligente. Aos dez anos, já compunha, falava outro idioma. Temos uma ligação muito forte. Chegamos, inclusive, a gravar os extras para DVD Multishow. Ela própria, aliás, quis que participássemos."

Durante a entrevista, mostrou à reportagem um tema ainda inédito que os dois gravaram, "Salve os Erês". Maria Gadú viaja pela Europa (está em Londres) e, na volta, deve dar continuidade à produção do novo álbum. Marc não sabe detalhes do projeto que, provavelmente, deva ser concluído ainda este ano, mas espera que a canção possa ser uma das faixas do futuro trabalho. A última vez que os dois se encontram foi por ocasião do show que ela e Djavan, fizeram no Clube União Recreativo, em Sorocaba.


Nenhum comentário:

Postar um comentário