quarta-feira, 2 de novembro de 2011

"Há clima entre mim e a Gadú", diz Caetano Veloso


Caetano Veloso volta amanhã a Portugal para dois concertos ao lado de Maria Gadú.


CM – Teve um papel importante na história do Brasil durante a ditadura. O que mudou entretanto?

Caetano Veloso – Muita coisa. Mostrou-se que governos de Esquerda podem ter boas consequências. Lula da Silva deu grandes passos no sentido de diminuir a disparidade social. Isso não é pouco.

– Anna de Hollanda sucedeu a Gilberto Gil no Ministério da Cultura. Qual é o estado do sector no Brasil neste momento?

– O Ministério da Cultura é modesto, com poucos recursos. Gil e Anna são pessoas de primeiríssima qualidade. A vitalidade da Cultura brasileira não depende do Ministério. Este é que tem de se relacionar bem com ela.

– O que acha da nova geração de artista brasileiros?

– Cheia de figuras interessantes.

– E Maria Gadú é especial?

Maria Gadú revelou-se especial como afirmação de uma personalidade forte por parte de uma pessoa que tem real talento. Assisti a um espectáculo dela numa casa noturna chamada Cinématèque, antes de ela se tornar um fenómeno, e fiquei impressionado com sua musicalidade e força cénica.

– O que vai trazer de novo nestes espectáculos em Lisboa [amanhã, no Pavilhão Atlântico] e no Porto [sábado, no Pavilhão Rosa Mota]?

– Não é um concerto de novidades de repertório, mas de novidades de clima, por causa da relação entre mim e essa menina de 24 anos.

– Que opinião tem sobre a música portuguesa? Com que artista faria um dueto?

– Amo a música portuguesa desde menino. Ficaria honrado de cantar com um punhado de artistas lusos. Não cito nomes para não cometer injustiças. 

- Cantores brasileiros chegam a número 1 no top português, mas o contrário ainda não se verificou.

– Isso aconteceu também entre ingleses e americanos... até surgirem os Beatles. Nunca se sabe.

– Depois de 46 anos de carreira, o que ainda lhe falta fazer?

– Alguma coisa que aprove a cem por cento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário