segunda-feira, 28 de maio de 2012

Maria Gadú no Coliseu do Porto: O regresso de uma tímida senhora do mundo

E chegou o muito aguardado dia 26 de maio. Depois de um primeiro álbum excecional e de uma parceria que, com certeza, ficará na história - Maria Gadú e Caetano Veloso -, as expetativas para o regresso da brasileira a território nacional eram muitas.

Marco Rodrigues é o responsável pela primeira parte do seu concerto. Aguarda-o o Coliseu ainda acanhado, recheado, principalmente, de casais. Às 21h25, o fadista entra em palco. E, com ele, um cheirinho a Lisboa em pleno centro do Porto. A guitarra portuguesa, tocada por Eurico Machado, salta de corda em corda. O Fado, corridinho, canta a saudade, poemas desfeitos e destinos acontecidos.

Foram oito as músicas apresentadas por Marco Rodrigues. O homem do Saldanha e O fado do Estudante elevaram as vozes dos presentes já familiarizados com as suas canções; A Rima mais bonita fechou o alinhamento da atuação e levou à confissão de uma extrema felicidade em pisar, pela primeira vez, o palco do Coliseu da cidade Invicta. Era, agora, tempo para os sons oriundos do outro lado do oceano.

Fotos: Marta Ribeiro

Coliseu encontra-se, agora, mais composto, com a primeira e segunda plateia já completas, a baterem palmas a despique, em jeito de provocação. As cortinas abrem-se, os batuques fazem-se ouvir e os flashes tomam conta do Coliseu. Uma tela projeta nomes de artistas que já não estão entre nós. Em sua homenagem, Reis, do novo álbum, faz-se ouvir, dando início a um exímio espetáculo audiovisual, que continua ao som de Maria Solidária.

Maria Gadú é uma senhora do mundo. Disso ninguém tem dúvidas. Em espanhol canta Extranjero, para pouco depois chamar, tímida, com voz de menininha, Marco Rodrigues ao palco, com quem canta A valsa, um dos temas mais esperados da noite, que tão bem representa a eterna união entre os irmãos Portugal e Brasil.

Fotos: Marta Ribeiro

Tempo de retornar ao primeiro álbum de Gadú, com Encontro, à qual viriam fazer companhia, mais tarde, Bela Flor, Escudos, Tudo Diferente, Linda Rosa, entre outras - todas acompanhadas, ininterruptamente, por um público que se recusa a esquecer o trabalho de estreia da artista.

A falta de interação é compensada com dois encores quase implorados. Laranja e Podres Poderes tomam conta do palco, mas é Shimbalaiê, o tema que lhe abriu portas, aquele que escreveu ainda miúda, e que sempre será recordado quando Maria Gadú for tema da conversa, que encerra o espetáculo.
Fotos: Marta Ribeiro

Fonte: SAPO Música(Texto de Isabel Cortez)

Um comentário: